Página inicial > Notícias > Associação de Capoeira Filhos de Cananéia desenvolve diversas ramificações (...)

Associação de Capoeira Filhos de Cananéia desenvolve diversas ramificações culturais na cidade

quarta-feira 20 de setembro de 2017

A participação cultural da Associação de Capoeira Filhos de Cananéia vai além das aulas e prática do esporte, além de um trabalho sério e de longa data, a Associação desenvolve um resgate de danças e manifestações culturais para seus alunos e simpatizantes. Algumas de origem afro brasileira e outras que estão presentes em várias regiões do nosso País, e que fazem parte do nosso tão rico folclore.

Por Zalber dos Santos

A participação cultural da Associação de Capoeira Filhos de Cananéia vai além das aulas e prática do esporte, além de um trabalho sério e de longa data, a Associação desenvolve um resgate de danças e manifestações culturais para seus alunos e simpatizantes. Algumas de origem afro brasileira e outras que estão presentes em várias regiões do nosso País, e que fazem parte do nosso tão rico folclore.
Danças populares como o Maculelê, manifestação típica do recôncavo baiano, onde os dançarinos têm em mãos “grimas” (bastões) e facões, encenando uma batalha de tribos indígenas, ao som ritmado dos atabaques. Além da forte energia da batida dos tambores a peça também conta com um pequeno show de pirofagia. O grupo se apresenta várias vezes ao ano para excursões, grupos estudantis e eventos, já sendo eleito como o melhor grupo de dança folclórica do Vale do Ribeira em uma das edições do Revelando São Paulo. Além do Maculelê, o grupo conta com a dança da Puxada Rede, onde também ao som do atabaque, os seus participantes contam a história do Pescador João, que mesmo contrariado pela sua mulher e amigos, saiu para pescar em um dia de tempo ruim, fazendo João não voltar do mar com vida. Apesar de ser uma dança com enredo triste, o professor Zalber dos Santos adora ensiná-la às crianças e iniciantes, por ser uma dança de passos simples e por usar cantigas e músicas de conhecimento popular, ele usa para estimular a coordenação motora e ritmo, desinibindo, fazendo com que elas conheçam músicas de compositores consagrados da nossa MPB – Música Popular Brasileira, como composições de Dorival Caymmi, usada na peça. A Associação também foi responsável em trazer para a cidade, junto com o músico percussionista Daniel Rodrigues, a dança do coco de roda, uma das manifestações populares mais colorida por conta das saias rodadas das meninas. A dança do coco é típica da região Nordeste, mas há controvérsias sobre o Estado que se originou se foi em Pernambuco, da Paraíba ou de Alagoas. Dança de roda executada em pares, com músicas de letras simples, com influência africana e indígena. A associação também conta com a Ciranda, originada de Pernambuco, mais precisamente da Ilha de Itamaracá. Essa dança popular surgiu através das mulheres dos pescadores, que cantavam e dançavam esperando seus maridos voltarem do mar. A Associação costuma desenvolver a ciranda sempre no final de um evento, como qualquer um pode dançar a ciranda por ser uma dança relativamente simples, a Associação usa para a confraternização e interação, por que a ciranda é dançada em círculo, com seus participantes segurando as mãos uns dos outros, interagindo com o público. Além do Maculelê, Puxada de Rede, Dança do coco e da Ciranda, a Associação vê a possibilidade de estar introduzindo, também, o Samba de Roda, ou o samba duro, muito comum na Bahia, mas ainda está em fase de estudo e ensaios, como foi feito como os outros ritmos. As aulas e ensaios acontecem no Centro Comunitário da cidade, a partir das 19h, de segundas, quartas e sextas, com o Professor Zalber e a Associação de Capoeira Filhos de Cananéia.


Rua Antonio Colaço de Souza, 120
Carijo - Cananéia / SP
Telefone: (13) 3851-1201
e M w C B